"Você é o que escolhe ser. Escolha o amor." Isha

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

ADEUS À SOLIDÃO, POIS ESTÁS CONTIGO

Há muitas pessoas que sentem um vazio interno que não se preenche com nada, e o atribuem à falta de apoio emocional externo, a que ninguém se preocupe com elas, ou à falta de cuidado dos outros, ou à falta do parceiro, do amigo, da família. Emfim, por diversos motivos, o que nos falta recebe toda a culpa.
Qualquer que seja a causa, o sentimento de solidão aperta o coração, fecha a garganta, nos incomoda, e vivemos em pânico e angústia, nos sentimos vítimas do desamor. Mas muitas vezes também temos este sentimento ainda que estejamos rodeados de pessoas, mas nossas velhas dores, nossas proteções para não sofrer, e tantas coisas mais, nos tornam impermeáveis a compartilhar os afetos.
Assim, não podemos receber, não podemos detectar o que vem até nós, o que nos querem dar, pois esse sentimento fecha as portas. Outras vezes estamos tão aferrados ao passado, a castigar-nos pelo que não fizemos ou o que nos saiu errado, ou temos tantos ressentimentos que são como uma couraça de aço que já não nos permite nem nos aproximar, nem sentir mais que isso: o velho sentimento de reprovação, de rancor, por algo que já sucedeu e pelo que fechamos as portas à vida e às novas vivências compartilhadas. Geralmente não nos damos conta de que os únicos que o ressentimento realmente fere, é a nós mesmos.
Temos uma tendência automática que é “a sofrê-lo”. Meu convite hoje é descobrir algo que está esperando ser despertado, está dentro, em seu coração, pelo mero fato de que você é humano. E este caminho o leva a viver em amor-consciência. Quando expandimos o amor incondicional em nós, desfazendo-nos dos medos e da bagagem que nos agonia e separa, a solidão é um sentimento que não existe.
Você começa a se abrir a receber, pois você está dizendo sim a si mesmo, à vida, estando presente em cada momento com o que é, em lugar de estar ausente, agoniado por aquilo que foi, e encapsulado pelo medo de que se volte a repetir.
A consciência jamais está só. Você pode ver uma criança e julgá-la só, imaginando coisas, ela sente-se completa dentro de si mesma em cada momento. Ela NÃO pensa: –seria mais feliz se tivesse mais amigos–. Elas não pensam assim. Só criam seu próprio entretenimento.
Tudo aquilo que você necessita está dentro de você. A consciência jamais está só, porque está amando a si mesma. Desfruta de si mesma e vive completa dentro de si.



A PERCEPÇÃO DE NOSSA NECESSIDADE E AS IDÉIAS COM QUE AS SEGUIMOS CRIANDO

A idéia de que necessitamos algo que não temos agora mesmo é a raiz do descontentamento. Nós nunca estamos completamente satisfeitos com o que nos sucede neste momento. Inclusive quando conseguimos tudo o que pensamos que sempre temos querido, sentimos que ainda há algo que falta. Por quê? Porque estamos tão acostumados à esperar algo mais, que nunca nada é suficiente. Temos cultivado o hábito de sentir-nos insatisfeitos e isto se converteu em algo comum em nossas vidas. Isso é certo para os ricos e para os pobres, para os solitários e para os que sempre estão rodeados de gente. E isso é assim pois o perceber desta maneira nos garante sofrer, e em última instância, sofremos porque não nos sentimos merecedores.
Mas se você se centrar em ser, em lugar de ter, em experimentar este momento em plenitude, em vez de centrar-se no objeto do seu desejo e em sofrer por não tê-lo, estaria aberto a receber e ver tudo o que vem até você. E vem por si só. Não há nada de mau com o desejo, mas o truque para não sofrer e para criar ilimitadamente, é o desejo sem apego. O que realmente importa é o que você está sendo em cada momento. Estar presente, e soltar o apego ou a idéia de como as coisas têm que se apresentar para que eu as aceite. O ser é o mais importante, porque isso é o que lhe trará alegria. Pensamos que o que obtemos nos trará a felicidade, mas quando estamos presentes neste momento a energia da felicidade é muito abundante, e tudo traz essa felicidade. Você é essa felicidade. E você é esse gozo. Essa é a diferença.
Observe sua mente. Frequentemente encontrará que quando sente que algo lhe falta, não pode descansar até que o tenha alcançado, e é em realidade somente uma desculpa para não estar presente e para sofrer. Esses são os truques de sua mente para manter-lhe desconectado de si mesmo. Por quê? Porque se estamos totalmente presentes, sem distrações, sem nenhum projeto, não temos nenhuma desculpa para enfrentar-mos o desconhecido. Nossa atenção se configurou para evitar; para evitar a parte de nós mesmos de que nos esquecemos. E essa é a única maneira que podemos manter-nos longe desta liberdade sem limites e da ausência do medo ao desconhecido. Porque em realidade, não há nada que temer. Como podemos ter medo do amor? Não é possível. SERIA COMO TER MEDO DO AR QUE RESPIRA. ABRA-SE A RECEBER TUDO O QUE VEM ATÉ VOCÊ.

Do Blog Isha nos habla - Traduzido por Carlos Teixiera Marques
Obrigadão Carlos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário