"Você é o que escolhe ser. Escolha o amor." Isha

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

O tempo se acelera e a vida não alcança. O que fazer?



Com a velocidade dos acontecimentos no dia a dia, sentimos que não temos tempo, que nos falta, que tudo se acelera e que parece que não damos conta. Estamos sempre correndo, enganchados em um comboio que vai cada vez mais rápido e sentindo que ficamos para trás. Perdemos o momento presente, não o vivemos, passamos por cima dele nesta corrida diária.

Paradoxalmente podemos ir nesse ritmo, sempre que nossa atenção está absolutamente focada em cada momento. Quando éramos criança, tínhamos esta experiência de viver totalmente no momento presente, com simplicidade e inocência. Podemos voltar a recriá-la. Nosso intelecto vive naturalmente no passado ou no futuro, essa é sua função, já que está resolvendo o que seja que esta dualidade lhe apresente. Isto provoca um elevado nível de estresse, temendo repetir o passado no futuro, e isto ativa a adrenalina, e o controle se torna permanente. Mas na realidade não podemos controlar nada, podemos planejar, mas não controlar, e, no entanto, o medo ao que possa acontecer não nos deixa soltar a rigidez desse controle para podermos fazer as mudanças necessárias.

Então, o que podemos fazer? Nada sai como planejamos, fazemos o mesmo de sempre e vemos que já não funciona. Temos uma ideia de como costumávamos fazer, o aplicamos, e não vai! É como utilizar os métodos de antes da internet neste tempo. Impossível! Mas nossas mentes às vezes têm essa brecha, experimentam essa diferença. E não se trata de dizer não ao que está acontecendo, trata-se de abrir-nos a mudar.

Podemos descobrir o poder do momento presente. Podemos soltar a rigidez das velhas formas e abrir-nos ao que é agora. Podemos nos recriar em cada momento de acordo ao que a vida nos apresenta. Nunca é tarde, podemos soltar a bagagem que nos limita, agora. Neste momento, podemos permitir que as mudanças aconteçam, que o velho encontre seu caminho de saída, e confiar no novo que se apresenta, ou pelo menos abrir-nos a ele. A insanidade é fazer sempre o mesmo e esperar um resultado diferente. No entanto assim vivemos diariamente. Fazemos sempre do mesmo jeito e brigamos com o que acontece porque é sempre igual também.

Hoje lhes proponho verem em cada momento como podemos fazer algo diferente e abrir-nos a sentir, ver e experimentar o resultado, sem expectativas e com inocência. Tal como lhes conto em meu livro e filme (Por que caminhar se você pode voar? – nota da tradutora), vivemos como se estivéssemos olhando através de uma janela suja, tecida por nossas experiências e vendo, então, apenas o que nossa percepção nos permite ver. Ao nascer, essa janela estava limpa. Hoje podemos limpá-la outra vez. A percepção da escassez, por exemplo, faz com que demos pouquinho à vida para estarmos seguros, e no entanto esperamos tudo de volta. Se nos abrirmos mais, se damos mais, poderemos receber mais. Nossa percepção vai mudando porque a vida se trata daquilo que você lhe dá, e aquilo que você escolhe em cada momento.

Então, por exemplo, se você dá à vida, na sua experiência, cem por cento, vai obter um milhão por cento de volta; se dá 40%, obterá isso mesmo, e se dá inclusive 90%, obterá no máximo 90% de volta. Para exemplificar isso: sabem quando não tem vontade de fazer algo por x motivo e o fazem, mas o fazem mal feito? Notaram que geralmente o resultado não é satisfatório?

Então, o que você fará é escolha sua e o que receberá, também. Se você dá tudo, vai obter de volta mais do que sua imaginação possa conceber. Obterá tudo, obterá o paraíso na terra. Por quê? Porque você não será prisioneiro do medo, porque você caminha na vida com a cor da confiança e da entrega, porque o amor incondicional em seu coração lhe guia momento a momento. E assim não poderá criar nada menos que o melhor para si e aos que lhe rodeiam, e sem dúvida criará alegria, paz e mais amor em cada momento.

Isha

Tradução: Fabiana Simões
Foto: http://comentadordesbocado.blogspot.com.br/2013/01/ando-sem-tempo.html


Nenhum comentário:

Postar um comentário