"Você é o que escolhe ser. Escolha o amor." Isha

sábado, 13 de agosto de 2011

DEPOIMENTO DA LAURITA *ESTUDANTE DE BELO HORIZONTE*



Foi por volta de agosto/2006, meu marido assistindo televisão, quando estava passando uma reportagem que se tratava de como curar seus medos sem remédios (mais ou menos isso). Ele me chamou para ver. Achei estranho e quase impossível, mas fui assistir. Fiquei até o final. Tinha muitos medos e já vinha lutando há tempos com a queda de cabelo, a qual a maioria dos profissionais havia diagnosticado como sendo proveniente de problemas emocionais. O programa era sobre o sistema ISHA. Gostei tanto, que no dia seguinte fiz a minha inscrição para o intensivo e confirmei a minha participação no evento com a ISHA que aconteceu em setembro daquele ano em Belo Horizonte. Durante o intensivo, Sada, em resposta a alguns questionamentos, informou que, caso tivéssemos tido alguma doença, era provável que sentiríamos novamente os mesmos sintomas, pois era o sinal de que estávamos sendo curados definitivamente desta vez. ISHA também falou durante o encontro que uma das vantagens do sistema era que cada um poderia seguir o seu caminho individualmente, respondendo a pedidos de estadia de mestres em Belo Horizonte. Isso me atraiu ainda mais, pois trabalhava o dia inteiro e, não sabia ainda, o medo da desaprovação me afastava das pessoas. Assim, poderia seguir minha caminhada independente de participar das reuniões. Assim fui seguindo, participando de alguns intensivos, jornadas de unificação, mas, sempre me resguardando, pois tinha medo de falar algo e não agradar. Aí viria a culpa e o sofrimento.

Seguindo a informação de Sada, o meu cabelo em vez de recuperar a queda, começou a cair mais e mais. Quanto mais unificação fazia, mais o cabelo caía. Era tudo muito confuso para mim. Misturava ser inocente com ser boazinha, não sabia quando estava falando a minha verdade e nem se estava expressando meus sentimentos ou emoções ou reprimindo-os. Mas, não desisti, continuei praticando e praticando. O cabelo caiu todo.

Como se não bastasse, um tumor que tinha tido na tíbia esquerda há mais de 10 anos também voltou. Lutei com a homeopatia e com as unificações, mas, não teve jeito. Tive que operar e retirá-lo. Graças a Deus era benigno como da outra vez, porém, tive que reconstituir metade da minha tíbia. Já sem cabelo, sem esperança para qualquer tratamento para a cura, pois todos tinham sido em vão, não queria mais remédios, pois chegariam ao resultado já conhecido. O sistema ISHA estava deslanchado, mais sentia que estava muito devagar. As coisas na minha mente ainda eram muito confusas. Podia observar que sentia mais paz e serenidade diante das situações e era mais forte nas decisões. Assim, consegui enfrentar o mundo sem cabelo, sem máscaras, com tranquilidade, graças ao sistema. Mas, ainda era pouco para mim. Ainda vivia me envolvendo com os dramas, tinha medos, tinha dificuldade de me associar às pessoas e reprimia muitas emoções para não desagradar as pessoas. Eu não havia nascido assim, e sabia que por isso era possível obter a cura. Só que desta vez, depois de longas pesquisas, quis um método natural, associado às unificações. Sabia que se desintoxicasse meu corpo eu poderia recuperar meus cabelos. Entreguei de corpo e alma para a alimentação viva. Para minha surpresa, depois de um curto espaço de tempo, comecei a ter lampejos do que seria a consciência e quais eram os meus dramas. Assim, pude ir observando as minhas ilusões e distinguindo-as da minha verdade; quando eu estava me escondendo no meu medo principal (de não agradar as pessoas) me esforçando exageradamente, afastando das pessoas, das situações de confronto e me isolando cada vez mais. Por causa desse medo, não podia errar, falhar no trabalho, na relação com meus filhos, com meu marido, familiares, amigos, etc. Vivia 24 horas do dia me policiando para não falhar e me sentir culpada. Era uma verdadeira prisão. Às vezes não dormia, trabalhava excessivamente para não faltar nada. Era elétrica. Costumava dizer que estava sempre ligada na tomada. Mas, não tinha consciência de nada disso. Apenas sofria, e muito, quando algo fugia do meu controle e dava errado.

Ainda aconteceu mais, depois de um três meses de desintoxicação, um dos pontos da cirurgia da tíbia abriu e começou a vazar. Sabia que era mais um processo de cura e limpeza. Desta vez iria ficar livre de vez do tumor, como Sada havia dito. A cirurgia por si só era apenas um método naquele momento, mas que também intoxicava o corpo. Eu estava realmente sendo curada. Fui ao médico para desencargo de consciência. Não tomei nenhum remédio e continuei minha caminhada. Já podia distinguir minhas emoções, meus sentimentos e ter momentos de consciência. Sentia-me cada vez mais forte, confiante e me relacionava melhor com as pessoas e situações. Minha perna encheu de feridas e continuou vazando por mais ou menos quatro meses até que tudo começou a cicatrizar. Cada vez mais tinha certeza que estava sendo curada. Sentia muita paz e tranquilidade e a ansiedade havia desaparecido. Os dramas ainda perturbavam e se misturavam de vez em quando. Concentrei em colocar as emoções para fora, principalmente a raiva e a tristeza. Melhorei muito. Mas, ainda não sabia o que era rendição. Quando achava que estava me rendendo, estava era me rejeitando na minha experiência humana e, mais e mais, o drama crescia. Foi aí que fui percebendo a diferença de tudo: distinguindo drama de consciência, ilusão da minha verdade, aprendendo a ser inocente, não julgando minhas reações, não questionando o porquê dos fatos (apenas observando, assistindo), sentindo minhas emoções e deixando-as sair livremente, sem repressão. Fui sendo tomada cada vez mais de uma paz interior muito grande. Depois de um ano e meio de dieta de desintoxicação e unificações constantes, seguido das demais técnicas do sistema ISHA, o meu cabelo começou a nascer. Aí, sim, tinha certeza, eu estava sendo curada. Já não importava mais o nascimento do cabelo, pois tinha conseguido algo muito maior: a cura da minha alma, do meu espírito, das minhas emoções e , consequentemente, do meu corpo. Sentia-me cada vez mais completa. Hoje, quase três anos de alimentação viva e cinco de sistema ISHA, consigo ficar a maior parte do tempo na consciência e não me deixar levar pelos dramas. Eles são meus amigos inseparáveis, mas não me assustam mais e nem me fazem sofrer. Vejo-os claramente e até dou risadas quando tentam me perturbar. Sinto as emoções quando aparecem e me conecto com a consciência e sigo em paz minha caminhada, lapidando cada vez mais o meu diamante. Sou muito grata a Deus, primeiramente, que disponibilizou todo esse processo de cura do meu ser, de possibilidade de retorno à unicidade, ao sistema ISHA e à alimentação viva, aos mestres e a todas as pessoas, amigos que carinhosamente vêm compartilhando comigo estas experiências e contribuindo cada vez mais para a minha liberdade e expansão da consciência. Viver para mim, hoje, é o maior presente que recebi. Poder sentir todas estas experiências, ir caminhando me purificando, lapidando, iluminando, é a minha maior paixão. Ainda, principalmente, ir vencendo todos os meus medos, especificamente o de me expor, podendo compartilhar toda a minha experiência humana , sem ressentimentos, preocupações, culpas ou necessidade de aprovação. Apenas por puro agradecimento e vontade de ajudar os demais a encontrar esse caminho maravilhoso. Beijo grande a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário